Arko Datto nasceu em 1986 na Índia. O seu objetivo com a fotografia é questionar o que significa ser fotografo na era digital enquanto a desempenhar simultaneamente o papel de observador e comentador sobre questões críticas. Procura narrativas sobre tópicos aparentemente díspares – migração forçada, tecnofascismo, vigilância no panóptico digital, ilhas desaparecidas, reinos noturnos e stress psicossomático de animais em cativeiro, para citar alguns. Embora todas as narrativas que explora sejam separadas e diferentes da seguinte, juntas formam linhas de investigação sobre os dilemas existenciais dos nossos tempos. Ao incorporar e desenvolver diversas linguagens visuais, narrativas e estilos, quer superar os limites das imagens estáticas e em movimento. Estava a caminho do seu doutoramento em ciências teóricas, antes de decidir mudar de rumo. Além de trabalhar nos seus próprios projetos visuais, também gosta de fazer curadoria dos trabalhos de outras pessoas e ter estado associado com a Bienal de Kochi, o Obscura Photography Festival e a Chennai Photo Biennale, naquela função.